O Mestre da Escravidão: Como a pornografia droga e muda nossos cérebros

Donald L. Hilton, Jr., M.D. é um neurocirurgião praticante e associado clínico no Centro de Ciências da Saúde do Departamento de Neurocirurgia da Universidade do Texas em San Antonio. Ele e sua esposa, Jana, trabalham como missionários no LDS Serviços à Família trabalhando com vício em pornografia e vícios sexuais.

Link para o texto original.

Tradução de Nina Cenni. Texto cedido pela página Recuse a Clicar

Revisão de Lucas Messali

 

Como a pornografia droga e muda nossos cérebros.

Embora alguns tenham evitado usar o termo “dependência” no contexto de compulsões naturais, como sexualidade descontrolada, comer demais ou jogar, consideremos as atuais evidências científicas sobre o cérebro e a dependência.

Este artigo procurará responder a duas perguntas: (1) Biologicamente, o cérebro é afetado pela pornografia e outros vícios sexuais? (2) Se sim, e se esses vícios são generalizados, podem eles também ter um efeito social?

A história da mariposa-cigana

Comecemos com uma aparente digressão. Em 1869, a mariposa cigana foi trazida para a América para tentar dar início à indústria da seda. Raramente boas intenções dão tão errado, pois o apetite imprevisto da mariposa por árvores caducifólias, como carvalhos, bordos e olmos, devastou as florestas por 150 anos. Numerosas tentativas foram feitas para destruir essa praga, mas uma grande inovação ocorreu na década de 1960, quando os cientistas notaram que a mariposa cigana encontra uma fêmea para acasalar seguindo seu perfume. Esse perfume é chamado de feromônio e é extremamente atraente para o macho.

Em 1971, um artigo foi publicado na revista Nature, descrevendo como os feromônios eram usados para impedir o acasalamento das mariposas. Os cientistas produziram em massa o feromônio e permearam com ele o ambiente habitado pelas mariposas. Esse cheiro forte e natural sobrepujou a capacidade normal das fêmeas de atrair o macho, e os machos, confusos, não conseguiram encontrar fêmeas para acasalar. Um artigo de acompanhamento descreveu como o controle populacional das mariposas era alcançado “impedindo que as mariposas ciganas encontrassem parceiros”.

A mariposa cigana foi o primeiro inseto a ser controlado pelo uso de feromônios, que funcionam por dois métodos. Um é chamado “método de confusão”. Um avião dispersa um número ambientalmente insignificante de pequenos grânulos de plástico embebidos no cheiro do feromônio. Então, como descreve a jornalista de ciência Anna Salleh: “O macho fica confuso e não sabe que direção tomar para encontrar a fêmea, ou fica desensibilizado com os níveis mais baixos de feromônios que a fêmea dá naturalmente e não tem incentivo para acasalar com ela. “

O outro método é chamado de método de captura: armadilhas com infusão de feromônio são definidas, das quais as mariposas não conseguem escapar; uma mariposa macho entra procurando por uma fêmea, apenas para encontrar um substituto fatal.

As duas Falácias

O que isso tem a ver com pornografia? A pornografia é um “feromônio visual”, uma poderosa droga cerebral de US$ 100 bilhões por ano que está alterando a sexualidade humana ao “inibir a orientação” e “interromper a comunicação pré-acasalamento entre os sexos através da permeação da atmosfera”, especialmente através da Internet. Acredito que, atualmente, estamos lutando na guerra contra a pornografia porque muitos continuam a crer em duas falácias principais:

  • Falácia número 1: A pornografia não é uma droga.
  • Falácia número 2: A pornografia portanto não representa um vício real.

Como ilustração da Falácia nº 1, considere a seguinte declaração de um executivo de Wall Street cuja empresa principal lucra discretamente com a pornografia:

“Eu não sou alguém estranho ou pervertido, não é meu negócio. Eu tenho filhos e uma família. Mas se eu posso me enxergar como um subscritor saindo e ganhando dinheiro com pessoas estranhas, ei, dólares são dólares. Eu não estou vendendo drogas. É Wall Street. “

Considere agora as duas falácias como elucidadas na declaração a seguir por um executivo do setor de pornografia:

“[O] fato [é] que “drogas, bebidas e cigarros” são todos agentes físicos e químicos que são ingeridos e podem, de fato, ter efeitos mensuráveis, prejudiciais e viciantes. A mera visualização de qualquer tipo de material dificilmente se enquadra nessa categoria e, de fato, menospreza as batalhas muito reais que os viciados enfrentam por causa de drogas, bebidas e cigarros – todos os quais podem ser letais. Ninguém nunca morreu por ver pornografia. Embora alguns tipos compulsivos possam ser “viciados” em qualquer coisa, como assistir a um programa de televisão favorito, tomar sorvete ou ir à academia, ninguém sugere que o sorvete seja semelhante ao crack (lembre-se dessa afirmação) e deva ser regulamentado para proteger… as pessoas de si mesmas – em vez disso, essas ações compulsivas são devidamente vistas pela sociedade como defeitos de personalidade no indivíduo.”

Revisarei agora algo da ciência a que ele se refere e também discutirei se a pornografia é um agente “físico, químico”, isto é, “uma droga”, e também considerarei as pesquisas mais recentes sobre recompensas naturais do cérebro para decidir se é verdade que seja uma verdadeira dependência cerebral.

O Gramado da Adrenalina

Primeiramente, gostaria de compartilhar uma experiência que nossa família teve alguns anos atrás em um safari na África. Durante um passeio de carro ao longo do rio Zambeze, nosso guarda florestal comentou a respeito da “grama de adrenalina” que crescia ao longo das margens. Perguntei-lhe por que ele usava a palavra “adrenalina” e ele começou a dirigir devagar pela grama. Abruptamente, ele parou o veículo e disse: “Ali! Você está vendo?”

“Vendo o quê?”, perguntei. Ele se aproximou um pouco mais, o que fez mudar o ângulo da luz.

Então eu entendi. Havia um leão escondido na grama, observando o rio, apenas esperando que algum “fast food” viesse beber algo.

Estávamos sentados em um Land Rover ao ar livre, sem portas nem janelas. Entendi então por que se chamava “gramado da adrenalina”, enquanto sentia meu coração bater mais forte. Meu córtex cerebral viu e definiu o perigo, registrado na parte autônoma ou automática do meu sistema nervoso. O cérebro, que é um laboratório farmacêutico muito eficiente, produziu a adrenalina química, fazendo meu coração bater forte e acelerar em preparação para a situação de sobrevivência. Eu estava pronto para correr, se necessário (não que isso adiantasse alguma coisa perante o leão).

Disseram-nos que, se ficássemos imóveis em nossos assentos, o leão olharia para o Land Rover como um todo e não nos veria como indivíduos. Felizmente, foi esse o caso.

Uma droga é uma droga

Curiosamente, a adrenalina, também chamada epinefrina, é um medicamento que os médicos usam em cirurgias e emergências para reiniciar o coração do paciente quando este está a bater muito devagar ou parou. Então, eis a questão: a epinefrina não é uma droga se o cérebro a produz (fazendo o coração bater e correr), mas é uma droga se é administrada por um médico?

Ou considere a dopamina. Esta substância química é um primo próximo da adrenalina, os quais são, por sua vez, neurotransmissores excitatórios que dizem ao cérebro: “Vá!” A dopamina é importante nas partes do cérebro que nos permitem movimentarmo-nos e, quando as partes do cérebro que produzem dopamina são danificadas, desenvolve-se a doença de Parkinson. Para tratar o mal de Parkinson, os médicos prescrevem a dopamina como droga, e isso ajuda o paciente a se mover novamente. Portanto, a dopamina é uma droga apenas se o laboratório farmacêutico produz, e não se o cérebro produz o mesmo produto químico para o mesmo objetivo?

É claro que ambos são drogas em todos os sentidos da palavra, independentemente de onde são produzidas. Pertinente ao nosso assunto, ocorre que essas duas drogas cerebrais são muito importantes na sexualidade humana – também na pornografia e no vício sexual. A dopamina, além de seu papel na movimentação, é um neurotransmissor integral, ou droga cerebral, no sistema de prazer/recompensa no cérebro.

A perturbação na dopamina

Revisemos alguns dos componentes importantes do sistema de recompensa do cérebro. Na parte externa está o córtex cerebral, uma camada de células nervosas que carregam pensamento consciente e volitivo. Na frente, acima dos olhos, estão os lobos frontais. Essas áreas são importantes para o julgamento e, se o cérebro fosse um carro, os lobos frontais seriam os freios. Esses lobos têm importantes conexões com as vias do prazer, para que o prazer possa ser controlado.

No centro do cérebro está o núcleo accumbens. Essa área do tamanho de uma amêndoa é uma chave no centro de recompensa/prazer e, quando ativada pela dopamina e outros neurotransmissores, faz-nos valorizar e desejar recompensas prazerosas. A dopamina é essencial para os humanos desejarem e valorizarem o prazer apropriado na vida. Sem ele, não seríamos incentivados a comer, procriar ou mesmo tentar vencer um jogo.

É o excessivo uso do sistema de recompensa da dopamina que causa dependência. Quando as vias são usadas compulsivamente, ocorre uma degradação que realmente diminui a quantidade de dopamina nas áreas de prazer disponíveis para uso, e as próprias células da dopamina começam a se atrofiar ou encolher. As células de recompensa no núcleo accumbens agora estão famintas por dopamina e existem em um estado de desejo de dopamina, assim como ocorre uma degradação dos receptores de dopamina nas células do prazer. Essa redefinição do “termostato do prazer” produz um “novo normal”. Nesse estado viciante, a pessoa agirá viciosamente para aumentar a dopamina a níveis suficientes apenas para se sentir normal.

À medida que a dessensibilização dos circuitos de recompensa continua, são necessários estímulos cada vez mais fortes para aumentar a dopamina. No caso de dependência de narcóticos, a pessoa viciada deve aumentar a quantidade da droga para obter o mesmo valor. No vício em pornografia, são necessárias imagens progressivamente mais chocantes para estimular a pessoa.

À medida que a dessensibilização dos circuitos de recompensa continua, são necessários estímulos cada vez mais fortes para aumentar a dopamina. No caso de dependência de narcóticos, a pessoa viciada deve aumentar a quantidade da droga para obter o mesmo valor. No vício em pornografia, são necessárias imagens progressivamente mais chocantes para estimular a pessoa.

Danos nos lobos frontal

Como uma espécie de feedback, os lobos frontais também se atrofiam ou encolhem. Pense nisso como um “desgaste das pastilhas de freio”. Esse declínio físico e funcional no centro de julgamento do cérebro faz com que a pessoa seja prejudicada em sua capacidade de processar as conseqüências de agir segundo o vício. Os estudiosos do vício chamaram essa condição de hipofrontalidade e observaram semelhanças entre o comportamento de pessoas viciadas e o de pacientes com lesão cerebral frontal.

Os neurocirurgiões frequentemente tratam pessoas com danos no lobo frontal. Em um acidente de carro, por exemplo, o cérebro do motorista costuma desacelerar na parte de trás da testa dentro do crânio, machucando os lobos frontais. Pacientes com lesão no lobo frontal exibem uma constelação de comportamentos que chamamos de síndrome do lobo frontal. Primeiro, esses pacientes são impulsivos na medida em que se dedicam a atividades sem pensar, com pouca consideração pelas consequências. Segundo, eles são compulsivos; tornam-se fixados ou focados em certos objetos ou comportamentos e sentem necessidade deles, não importa o quê. Terceiro, tornam-se emocionalmente instáveis ​​e apresentam mudanças repentinas e imprevisíveis de humor. Quarto, exibem julgamento prejudicado.

Portanto, a hipofrontalidade cortical, ou encolhimento dos lobos frontais, causa esses quatro comportamentos, que podem resultar de um acidente de carro ou de um vício.

Um estudo sobre dependência de cocaína publicado em 2002 mostra perda de volume ou encolhimento em várias áreas do cérebro, particularmente nas áreas de controle frontal. Um estudo de 2004 mostra resultados muito semelhantes para a metanfetamina. Como já se espera que os medicamentos danifiquem o cérebro, esses estudos não surpreendem.

Considere, no entanto, um vício natural, como comer demais levando à obesidade. Você talvez se surpreenda ao saber que um estudo publicado em 2006 mostrou um encolhimento nos lobos frontais em obesos muito semelhante ao encontrado nos estudos sobre viciados em cocaína e metanfetamina. E um estudo publicado em 2007 sobre pessoas acomentidas por vício sexual grave produziu resultados quase idênticos aos estudos sobre cocaína, metanfetamina e obesidade. (De forma encorajadora, dois estudos, um sobre dependência química [metanfetamina] e outro sobre dependência natural [obesidade] também mostram um retorno aos volumes mais normais do lobo frontal com o tempo em recuperação.)

Portanto, temos quatro estudos, dois estudos sobre drogas e dois sobre dependência natural, todos realizados em diferentes instituições acadêmicas por diferentes equipes de pesquisa e publicados durante um período de cinco anos em quatro diferentes revistas científicas revisadas por pares. E todos os quatro estudos mostram que os vícios afetam fisicamente os lobos frontais do cérebro.

Vício é vício

Mencionei que os sistemas de dopamina não funcionam bem em viciados, que eles se tornam danificados. Esse dano, tal qual o dano no lobo frontal, pode ser demonstrado tanto por exames cerebrais, quanto por exames funcionais de ressonância magnética, PET e SPECT. Estudos recentes de varredura cerebral mostraram não apenas anormalidades nos casos de dependência de cocaína, mas também nos casos de jogo patológico e excessos que levam à obesidade.

Portanto, a ciência não enviesada nos diz que o vício está presente quando há comportamento destrutivo contínuo, apesar das consequências adversas. Conforme declarado na revista Science, “no que diz respeito ao cérebro, uma recompensa é uma recompensa, independentemente de ser proveniente de uma substância química ou de uma experiência”.

Mas e quanto à pornografia e ao vício sexual? O Dr. Eric Nestler, chefe de pesquisa em neurociência do Mount Cedar Sinai em Nova York e um dos cientistas de dependência mais respeitados do mundo, publicou, em 2005, um artigo na revista Nature Neuroscience, intitulado “Existe um caminho comum para o vício?” Neste artigo, ele disse que os sistemas de recompensa da dopamina mediam não apenas o vício em drogas, mas também “vícios naturais” (isto é, o consumo compulsivo de recompensas naturais), como excessos alimentares patológicos, jogo patológico e vícios sexuais”.

A prestigiada Royal Society de Londres, fundada na década de 1660, publica a revista científica mais antiga do mundo, Philosophical Transactions of the Royal Society. Uma edição recente dedicou 17 artigos ao entendimento atual do vício. Curiosamente, dois dos artigos estavam especificamente preocupados com o vício natural, jogo patológico e excessos.

Aprendizado frenético

Os doutores Robert Malenka e Julie Kauer, em um artigo de referência na Nature em 2007 sobre os mecanismos das mudanças físicas e químicas que ocorrem nas células cerebrais de indivíduos dependentes, disseram: “O vício representa uma forma patológica, mas poderosa, de aprendizado e memória”. Nós agora chamamos essas mudanças nas células cerebrais de “potencialização a longo prazo” e “depressão a longo prazo” e falamos do cérebro como sendo plástico, ou sujeito a alterações e remodelação.

O Dr. Norman Doidge, neurologista da Columbia, em seu livro “O Cérebro que Muda a Si Mesmo”, descreve como a pornografia causa a remodelação dos circuitos neurais. Ele observa que, em um estudo com homens vendo pornografia na Internet, eles pareciam “estranhamente” como ratos acionando a alavanca para receber cocaína nas caixas experimentais de Skinner. Assim como os ratos viciados, os homens procuravam desesperadamente o próximo estímulo, clicando no mouse no momento em que os ratos acionavam a alavanca.

O vício em pornografia é um aprendizado frenético, e talvez seja por isso que muitos dos que lutaram contra vários vícios relatam que era o mais difícil de superar. As toxicodependências, apesar de poderosas, são mais passivas de uma maneira “pensativa”, enquanto a visualização de pornografia, especialmente na Internet, é um processo muito mais ativo neurologicamente. A constante busca e avaliação de cada imagem ou videoclipe por sua potência e efeito é um exercício de aprendizado neuronal, limitado apenas pelo cérebro progressivamente remodelado. Assim, as curiosidades são fundidas em compulsões, e a necessidade de um maior estímulo de dopamina pode levar a pessoa da pornografia suave à intensa e dela à pornografia infantil – e pior. Um artigo publicado em 2009 no Journal of Family Violence revelou que 85% dos homens presos por posse de pornografia infantil também haviam abusado sexualmente de crianças.

Sexualidade desumanizada

Além da hipofrontalidade cortical e da degradação dos sistemas dopaminérgicos mesolímbicos, um terceiro elemento parece ser importante na pornografia e na dependência sexual. A ocitocina e a vasopressina são hormônios importantes no cérebro no que diz respeito ao desempenho sexual. Estudos mostram que a ocitocina é também importante para aumentar a confiança entre os seres humanos, no vínculo emocional entre parceiros sexuais e no vínculo dos parental. Estamos programados para a ligação com o objeto de nossa sexualidade.

É bom quando esse vínculo ocorre em um relacionamento matrimonial comprometido, mas há um lado negro. Quando a gratificação sexual ocorre no contexto do uso de pornografia, pode resultar na formação de uma espécie de amante virtual. O Dr. Victor Cline, em seu ensaio “Efeitos da pornografia em adultos e crianças”, descreve esse processo da seguinte maneira:

“Na minha experiência como terapeuta sexual, qualquer indivíduo que se masturbe regularmente para pornografia corre o risco de se tornar, com o tempo, um viciado em sexo, além de condicionar-se a ter um desvio sexual e (ou) a perturbar um relacionamento com um cônjuge ou companheiro.

Um efeito colateral frequente é que também reduz drasticamente a capacidade de amar (por exemplo, resulta em uma dissociação acentuada entre sexo e  amizade, afeto, carinho e outras emoções e traços saudáveis ​​normais que ajudam as relações conjugais). Seu lado sexual se torna, de certo modo, desumanizado. Muitos deles desenvolvem um “estado de ego alienígena” (ou lado negro), cujo núcleo é a luxúria antissocial desprovida da maioria dos valores.

    Com o tempo, o efeito obtido pela masturbação para pornografia se torna mais importante do que os relacionamentos da vida real.

    O processo de condicionamento masturbatório é inexorável e não se cura espontaneamente. O curso dessa doença pode ser lento e quase sempre é ocultado. Geralmente é uma parte secreta da vida do homem e, como um câncer, continua crescendo e se espalhando. Raramente se inverte, e também é de muito difícil tratamento e cura. A negação por parte do homem viciado e a recusa em enfrentar o problema são típicas e previsíveis, e isso quase sempre leva à desarmonia entre namorados ou cônjuges, às vezes ao divórcio e ao rompimento de outros relacionamentos íntimos.”

Dr. Doidge observa: “Os pornógrafos prometem prazer saudável e um alívio da tensão sexual, mas o que eles geralmente produzem é vício e uma eventual diminuição do prazer. Paradoxalmente, os pacientes do sexo masculino com quem trabalhei muitas vezes desejavam pornografia, mas não gostavam dela. No livro “Pornified”, Pamela Paul oferece vários exemplos disso e descreve uma pessoa que decidiu limitar seu uso de pornografia, não a partir de uma perspectiva moralista ou baseada em culpa, mas pelo desejo de experimentar novamente o prazer em relacionamentos físicos reais com mulheres.

A “impotência pornográfica”, onde o homem experimenta a sexualidade preferencialmente com a pornografia, em vez de uma mulher, é um fenômeno real e crescente. Quando o desejo sexual de um homem é desviado para longe de sua esposa, escreve o Dr. Cline, ela pode “sentir isso facilmente, e muitas vezes [se sente] muito solitária e rejeitada”.

Um artigo do Journal of Sex and Marital Therapy descreveu um estudo mostrando que muitas mulheres veem as atividades pornográficas de seus parceiros “como uma forma de infidelidade”:

“O tema que perpassa suas cartas é que o homem tomou o aspecto mais íntimo do relacionamento, a sexualidade, que deveria expressar o vínculo de amor entre o casal e se limitar exclusivamente ao relacionamento, e o compartilhou com inúmeras mulheres de fantasia. A grande maioria das mulheres deste estudo usou palavras como “traição”, “trapaça” e “caso” para descrever o significado que o envolvimento de seu parceiro na pornografia tinha para elas.”

Um anzol triplo

Permita-me usar uma analogia da pesca para ilustrar alguns desses conceitos. Todo mês de agosto, se possível, tento estar no rio Unalakleet, no Alasca, pescando salmão-prateado. Usamos uma isca em particular, um gancho triplo chamado “Blue Fox pixie”. Como os pescadores sabem, é importante liberar linha logo após fisgar o peixe, quando ele ainda tem muito vigor para lutar. À medida que o peixe cansa, porém, restringimos o arrasto e aumentamos a resistência. Desta forma, o peixe é puxado para o barco e pescado.

Da mesma forma, a pornografia é um gancho triplo, consistindo em hipofrontalidade cortical, rebaixamento dopaminérgico e ligação de ocitocina/vasopressina. Cada um desses ganchos é poderoso e sinérgico. A pornografia lança seus anzóis muito rápida e profundamente, e à medida que o vício progride, restringe progressivamente o arrasto da dopamina até que não haja mais folga na linha. A pessoa é atraída cada vez mais perto do barco e da rede de espera.

Desastre demográfico

Por que é essencial entender a natureza viciante da pornografia? Porque se a considerarmos apenas como um mau hábito, e não oferecermos aos que buscam a cura o suporte necessário para superar qualquer verdadeiro vício, continuaremos desapontados, como indivíduos e como sociedade. A pornografia é o tecido usado para tecer uma tapeçaria de permissividade sexual que mina os próprios fundamentos da sociedade. Biologicamente, destrói a capacidade de sustento de uma população. É um desastre demográfico.

O autor Tom Wolfe disse: “Quanto mais aumenta a pornografia, menor se torna a taxa de natalidade”. Ele tem razão? Nos anos 50, todos os países da União Européia tinham uma taxa de fertilidade acima dos 2,1 necessários para sustentar uma população. Agora, nenhum deles o faz, e vários estão na taxa de 1,3 ou próximo à chamada “menor fertilidade baixa”, da qual é praticamente impossível recuperar. Foi no final dos anos 1960 e início dos anos 1970 que esse declínio começou, o que corresponde exatamente ao início da revolução sexual. Existe uma correlação direta entre o crescente domínio cultural da revolução sexual e a taxa de natalidade decrescente, e, embora a relação de causalidade não possa ser comprovada, ela é fortemente apoiada pelo “efeito de feromônio” da pornografia.

O declínio demográfico é, é claro, multifatorial. Urbanização, mulheres no local de trabalho, adaptação do papel de gênero e até maior expectativa de vida são fatores importantes nas pirâmides populacionais invertidas. Mas os fatores primordiais ou biológicos da sexualidade humana e da estabilidade familiar são primários e, em minha opinião, não foram adequadamente ponderados.

Em 1934, o antropólogo de Cambridge Dr. J. D. Unwin publicou “Sex and Culture”. Nele, foram examinadas 86 culturas, abrangendo 5.000 anos, com relação aos efeitos tanto da restrição, quanto da liberação sexual. Sua perspectiva era estritamente secular e suas descobertas não se baseavam em dogmas moralistas. Ele descobriu, sem exceção, que as culturas que praticavam monogamia estrita nos laços conjugais exibiam o que ele chamava de “energia social criativa” e atingiam o auge da produção. Culturas que não restringiam a sexualidade, invariavelmente deterioravam-se em mediocridade e caos. Em “Houposia, The Sexual and Economic Foundations of a New Society”, publicado postumamente, ele resumiu

“Nos registros humanos, não há nenhum caso de uma sociedade que retivesse sua energia depois que uma nova geração completa houvesse herdado uma tradição que não insistisse na continência pré-nupcial e pós-nupcial. A evidência é que, no passado, uma classe era elevada a uma posição de domínio político por causa de sua grande energia e que, no período de sua ascensão, seus regulamentos sexuais eram sempre rigorosos. Ela retinha sua energia e dominava a sociedade desde que seus regulamentos sexuais exigissem continência pré-nupcial e pós-nupcial.”

Não conheço exceções a essas regras

A pornografia como um lança-chamas

Unwin também descreveu o que pode ser chamado de “distração dopaminérgica”, onde a busca por prazer domina e a produtividade é diminuída. Will Durant, em “The Lessons of History”, escreveu que “o sexo é um rio de fogo que deve ser encoberto e resfriado por uma centena de restrições para não consumir no caos o indivíduo e o grupo”.

Se “o sexo é um rio de fogo”, a dopamina e outras drogas cerebrais são o combustível. Como os astronautas da Apollo 11, podemos transportar essa energia para os céus ou ser consumidos em seus escapamentos, dependendo de estarmos acima dos motores no módulo de comando ou embaixo deles, expostos ao calor. O Dr. Henry A. Bowman disse: “Nenhuma pessoa realmente inteligente queima uma catedral para fritar um ovo, mesmo para satisfazer um apetite voraz”, mas o lança-chamas da pornografia está incendiando muitas catedrais de amor conjugal, parental e familiar atualmente.

Aplaudo os correntes esforços para fortalecer as leis, mas em nosso atual ambiente jurídico e social, não podemos confiar no governo para restrições. Devemos encarar a realidade de que a pornografia afetará praticamente todas as famílias de alguma forma. O Dr. Jason Carroll e seus colegas publicaram um artigo amplamente citado no Journal of Adolescent Research que traz à luz o escopo desse problema. De acordo com este artigo, que analisou dados de cinco universidades, 87% dos homens e 31% das mulheres vêem pornografia. Esses dados cruzam todas as barreiras religiosas, educacionais e sociais.

A pornografia se tornou a fonte de educação sexual para a maioria da próxima geração, uma loja de doces na internet, e ensina que o sexo é física e emocionalmente inofensivo, sem consequências negativas. Homens e mulheres são meras drogas visuais a serem usadas e descartadas, e o sexo é apenas para prazer pessoal. A verdade, é claro, é que aqueles que atuam sexualmente para fazer pornografia são consumidos e descartados pelos pornógrafos; eles são “pessoas descartáveis”, como o Dr. C. Everett Koop os chamou.

Ajuda para a cura

A descrição do Dr. John Mark Chaney sobre o vício em pornografia entre adolescentes é igualmente verdadeira para adultos:

    “Às vezes, os profissionais não conseguem entender o poder da compulsão que os jovens enfrentam e não é incomum que profissionais da escola, religiosos ou do setor privado defendam um plano de tratamento simples, baseado na força de vontade ou no caráter moral. Como a pornografia pode ser um vício, esses tipos de abordagens “apenas diga não” provavelmente criarão mais frustração e ideação autodestrutiva. […] a modalidade de intervenção e tratamento deve reconhecer o problema como um vício completo e tratá-lo com a mesma consideração dada ao álcool ou a substâncias químicas.”

Em relação à cura, o Dr. Victor Cline diz:

“Descobri que existem quatro fatores principais que mais prevêem sucesso na recuperação. Primeiro, o indivíduo deve ser pessoalmente motivado a se libertar de seu vício e estar disposto a fazer o que for preciso para alcançar o sucesso. Você nunca pode forçar uma pessoa a melhorar se ela não quiser. Segundo, é necessário criar um ambiente seguro, que reduza drasticamente o acesso à pornografia e a outros fatores sexuais. Terceiro, ele deve se filiar a um grupo de apoio de doze passos. Quarto, o indivíduo precisa selecionar um conselheiro/terapeuta que tenha recebido treinamento e sucesso especiais no tratamento de vícios sexuais.”

Aproximem-nos com compreensão dos que já estão presos, que vivem com vergonha e em segredo. Envergonhá-los não os curará. Como Jeffery R. Holland disse quando era presidente da Universidade Brigham Young: “Quando um nadador abatido e cansado tenta voltar bravamente à costa, depois de lutar contra ventos fortes e ondas fortes, que ele nunca deveria ter desafiado em primeiro lugar, aqueles entre nós, que poderíamos ter julgado melhor, ou talvez apenas ter mais sorte, não devemos remar para o lado dele, espancá-lo com os remos e enfiar a cabeça debaixo d’água. “

A filosofia secular também não os curará, e o governo não pode salvá-los. O passo 2 do programa de Doze Passos para viciados em sexo diz que aqueles que foram curados “chegaram a acreditar que um Poder maior que eles mesmos poderia restaurar sua sanidade”. Curiosamente, estudos revisados ​​por pares apóiam o sucesso dos programas de Doze Passos, que são baseadas no auxílio de um Poder Superior.

De fato, a pesquisa de Unwin, conduzida a partir de uma perspectiva secular, demonstrou que todas as sociedades avançadas estudadas, quando em seus ápices culturais e produtivos, construíram templos para quaisquer deuses que eles adorassem. Foi nessa subjugação do secular ao sagrado, do límbico ao lobo, que eles atingiram seu autocontrole e, portanto, sua autodeterminação. Will Durant, que se descreveu como agnóstico, também descobriu que “não há substituto moral” para a religião ao fornecer esse temperamento do límbico.

A luta é ingressada

A pornografia é uma droga que produz uma armadilha neuroquímica viciante, “Buscada além do juízo, e, assim que desfrutada, Acima da razão odiada” como Shakespeare colocou no Soneto 129[1]. E sim, como vimos, sorvete e sexualidade podem ser semelhantes a crack cocaína.

Embora devamos continuar lutando legalmente e socialmente, estamos além da prevenção como nossa única defesa. A pornografia quer você, quer seu marido ou esposa, quer seu filho e filha, seus netos e seus sogros. Não compartilha bem e não sai facilmente. É um mestre cruel e procura mais escravos.

Abraham Lincoln, quando enfrentou uma guerra semelhante pela liberdade, disse: “Se todos não se unirem agora para salvar o bom e velho navio da União nesta viagem, ninguém terá a chance de pilotá-la em outra viagem”. Todas as mãos no convés. Está em andamento batalha pela sanidade e serenidade, pela paz e prosperidade, por hoje e por todos os nossos amanhãs.

Este artigo foi originalmente publicado em Salvo, Edição 13, Verão de 2010

[1] O autor do texto não subscreve o verso seguinte, que completa o sentido dos trechos já mencionados. Do original: “Past reason hunted; and no sooner had, Past reason hated, as a swallow’d bait, On purpose laid to make the taker mad.” Traduzido: “Buscada além do juízo, e, assim que desfrutada, Acima da razão odiada; isca engolida, Só para enlouquecer o engolidor armado;”

 

 

 

14 comentários em “O Mestre da Escravidão: Como a pornografia droga e muda nossos cérebros”

  1. Espetacular! Vou estudá-lo e revisá-lo sempre, até decorar os nomes dos profissionais citados kkkkk É realmente muito importante o trabalho de vocês. Sinto-me, posso dizer, um privilegiado. Obrigado pela belo artigo.

  2. O artigo mais esclarecedor que já li sobre esse tema. Muito obrigado por compartilhar isso conosco.

  3. Assustador as verdades que descritas! Infelizmente me encontro viciado.
    Tenho apenas 18 anos, é duro, mas vou conseguir passar por cima…

  4. Excelente artigo. Continuem com o bom trabalho, é maravilhoso ter acesso a tanto material de qualidade em um único site.

  5. Vc começa com um vídeo “normal”, e depois vai piorando, até chegar em Anã, gorda e futuramente coisas piores.

  6. Tem uns 7 meses que eu não consumo mais pornografia e nem masturbação.

    Consumia desde adolescente, namorando, casado, sempre querendo prazer mas nunca gostando “da pornografia” em sí.

    Da até pra imaginar o estrago que fez na minha mente:

    Ja pensei em trair minha mulher inúmeras vezes; sempre via (as vezes ainda vejo) outras mulheres na rua como objetos sexuais e não como pessoas que tem sentimentos; Sempre me sentia fraco e desanimado; baixa sociabilidade; falta de ânimo pra tudo…

    Quando muleque, ficava horas trancado consumindo todo tipo de lixo: a 3, a 4, grupal, enfim… Quem vê ou viu sabe do que eu estou falando…

    Cheguei no fundo do poço. E o pior de tudo é que sou cristão (se é que eu pude me chamar assim antes).

    Minha mulher nunca me flagrou mas com certeza ja deve ter desconfiado em algum momento (só na cabeça de um viciado ele acha que nada está acontecendo).

    Tenho muita vergonha e não conto pra ninguém mas hoje eu encontrei esse artigo e resolvi desabafar e falar que com muito esforço é possível sair dessa imundice.

    (O ideal é a ajuda de alguém, eu sei que sou uma excessão)

    Algumas coisas que me ajudaram:
    1. Nao ficar sozinho, sempre ficar na companhia de alguém ou ocupado de uma forma que você nao possa ter contato com o celular ou computador.

    2. Banho gelado. Deu vontade? Pega essa piroquinha ou ppk e joga na água gelada. Ameniza a vontade. (No banho gelado fica difícil o brinquedo subir, e você é forçado a tomar banho mais rápido por causa da água fria)

    3. Academia e exercícios físicos.

    4. Reorganizar o quarto ou ambiente que você usava pra fazer o ato. Pode ser pintando o quarto e mudando os moveis de lugar. Eu não sei explicar mas O cérebro fica com menos vontade de consumir quando vê um ambiente novo.

    5. Sempre se manter em movimento. Se preciso for só pise em casa pra tomar banho e dormir.

    6. Quando vier a vontade, se imaginar dando risadas ajuda tbm

    7. Evitar assistir filmes ou tv que tenha cenas eróticas ou sensuais de início pelo menos.

    8. Evitar redes sociais. As vezes vc ta rolando a timeline do smartphone e passa por ele aquela mulher maravilhosa que vc fantasia ou algum outro gatilho mental que desperta em vc a vontade de ver pornô ou se masturbar. Se possível exclua temporariamente. Foi o que eu fiz de início.

    9. Oração. Peça pra Deus te libertar.

    Até hoje sempre vem a vontade de ver. Todo ex-fumante sempre fala que tem vontade de fumar.
    Mas hoje consigo me controlar e dizer não (não era assim antes, parecia que meu cérebro assumia o controle e eu só obedecia).

    Espero ter ajudado a QUEM QUER SE LIVRAR.

    Deus abençoe.

    Ps.: Se eu contar pra minha mulher ctz q ela me mata, então ainda to pensando se faço isso e morro ou se vivo tentando me consertar kkk

  7. Sensacional. Que maestria de texto.
    Fui muito impactado pelo texto como homem e marido e com certeza irei revisita-lo para fixar melhor o conteúdo.
    Vou compartilhar esse texto com mais pessoas para vencermos essa luta contra a pornografia!
    Forte abraço a todos!

  8. Material muito bom, mas poderia dizer ” vc não sabe que pornografia e masturbação vai contra o sexto mandamento? vc n quer ir para o inferno n é? então ame a Deus e PARE! ” forte abraço..

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.