Lista de Leitura Ordenada: Eric Voegelin

Aqui apresentamos as obras completas de Eric Voegelin, primeiro segundo a ordem dos Collected Works e depois segundo a ordem de leitura sugerida ao interessado no autor. Os livros com edições disponíveis em português estão com seus devidos nomes traduzidos.

Um esboço biográfico (1901-85)

O trabalho de Eric Voegelin é descrito comumente como uma filosofia da política, uma  filosofia da história ou uma filosofia da consciência, mas ele costumava caracterizar seu trabalho  como ciência política e a si mesmo como filósofo político. Nascido em Colônia,  Alemanha, em 1901, algumas de suas primeiras experiências de infância, recordadas mais  tarde em 1943, tornaram-se a base de sua filosofia de consciência e são descritas em seu livro  Anamnesis (do grego “recordação”).

Depois de emigrar para os Estados Unidos em 1938, ele dedicou sua vida a entender os distúrbios  espirituais e a violência política que começaram no século XV e alcançaram seu apogeu em  nosso tempo. Seus próprios escritos atraíram elogios e críticas, bem como seus estudos  históricos originais sobre temas tão variados como Marx, os mongóis e Maquiavel. Sua  habilidade como crítico literário era notável seja interpretando Henry James ou T.S. Eliot.

Ele fez pós-doutorado nos Estados Unidos de 1924 a 1926 e em Paris; depois disso,  ensinou teoria política e sociologia na Universidade de Viena após sua habilitação em 1928. Ele  publicou dois livros analisando o racismo em 1933 e isso forçou sua fuga de Áustria após o  Anschluss em 1938. Após uma breve estadia na Suíça, ele chegou aos Estados Unidos e  lecionou em uma série de universidades antes de ingressar no Louisiana State University’s Department of Government  em 1942, tornando-se cidadão dos EUA em 1944.

Permaneceu em Baton Rouge na LSU até 1958, quando aceitou a cadeira de Max Weber em ciências políticas na Ludwig Maximilians Universität de Munique. A cadeira estava vazia desde a morte de  Weber, em 1920. Enquanto estava em Munique, ele fundou o Institut für Politische
Wissenschaft. Voegelin retornou aos Estados Unidos em 1969 para ingressar na Universidade  de Stanford, bem como na Instituição Hoover sobre Guerra, Revolução e Paz. Depois de se aposentar  da universidade, ele continuou seu trabalho até o dia de sua morte, em 19 de janeiro de 1985.

Publicações

Voegelin publicou muitos livros e dezenas de ensaios e resenhas durante sua vida. Ele também deixou inúmeros manuscritos inéditos, incluindo a enorme História das idéias políticas, que foi publicada em oito volumes. Suas palestras de Charles R. Walgreen em 1951 na Universidade de Chicago, Verdade e Representação, foram publicadas em 1952 sob o título A Nova Ciência da Política. Muitas vezes visto como influente em relação aos seus trabalhos posteriores, este pequeno livro o tornou famoso, até ganhando uma matéria de capa na Time Magazine.

Sua obra principal o A Ordem e a História em cinco volumes, sendo que estava trabalhando no último volume quando morreu. Ordem e a História foi originalmente concebido como uma tentativa de discernir o significado na história através de um exame da história da ordem, um exame tornado possível pelo surgimento da historiografia não ideológica. Voegelin assumiu essa tarefa depois que ele decidiu que seu grande empreendimento anterior – a História das idéias políticas (que existia apenas como manuscrito) – era mal interpretado, concentrando-se mais nas idéias do que nas experiências. Como todos os seus escritos, foi realizado em resposta à sua experiência com os distúrbios ruinosos e muitas vezes assassinos de nosso tempo.

O primeiro volume, Israel e a Revelação, foi produzido em grande parte na ocasião da escrita de Ordem e História. O Mundo da Polis e Platão e Aristóteles, extraíram grande parte do seu material a partir do manuscrito da História das Ideias Políticas. Os três apareceram entre 1956 e 1957 e concentraram-se nas evocações de ordem nas sociedades antigas do Oriente Próximo e na Grécia – particularmente o “pneumático” na revelação e o “noético” na filosofia. Esses três volumes faziam parte de um projeto de rastreamento da ordem e da história em toda a civilização ocidental.

Esse esforço levou muito mais tempo do que o planejado originalmente, porque Voegelin passou a entender que uma concepção linear da história era inadequada para explicar explosões espirituais equivalentes em civilizações paralelas. Ele acreditava que tinha que ampliar seu horizonte familiarizando-se com diferentes civilizações. Ele também tinha suas funções no novo instituto. Assim, dezessete anos passaram-se antes que o Volume 4, A Era Ecumênica,  aparecesse em 1974.

Entre esses anos de desenvolvimento tardio, em 1966, Voegelin publicou sua filosofia da consciência sob o título de Anamnese: Zur Theorie der Geschichte und Politik (Anamnese: Sobre a Teoria da História e da Política), que muitos consideram central para entender seu trabalho profundo.

A Era Ecumênica rompeu com o padrão cronológico dos volumes anteriores, investigando simbolizações de ordem que variam no tempo, desde a Lista de Reis Sumérios até Hegel. Voegelin estava trabalhando no volume final, Em Busca da Ordem, quando morreu. Foi publicado postumamente em 1987. Entre seus estudos especiais estão o popular e acessível Hitler e os alemães, com base em suas palestras de Munique em 1964 e seu breve resumo da desordem espiritual moderna, intitulada Ciência, Política e Gnosticismo. Também é muito acessível sua série Conversas com Eric Voegelin, preservada de conversas no Instituto Thomas More em Montreal por um período de 30 anos. O primeiro desses quatro colóquios foi publicado em ensaios publicados: 1953-1965 e os outros três em The Drama of Humanity and Other Miscellaneous Papers: 1939-1985 das Collected Works de Eric Voegelin. Por vários anos, as populares Reflexões Autobiográficas, uma entrevista gravada e transcrita, conduzida por um período de tempo, está como uma introdução vívida à sua pessoa e pensamento.

Lendo Voegelin

O trabalho de Voegelin é difícil de caracterizar em termos que circulam entre os departamentos de filosofia da universidade contemporânea. Seu trabalho filosófico compartilha alguns dos mesmos interesses encontrados em Cassirer, Whitehead, Husserl, Heidegger, Gadamer ou Lonergan, e ele compartilha interesses com historiadores como Eduard Meyer, Mircea Eliade e Arnold Toynbee, mas Voegelin parece dominar mais material do que qualquer um deles enquanto propunha um realismo rejeitado por vários deles, um realismo baseado no “realíssimo”, na “intuição do Ser”, no “Fundamento Divino” de Platão, Aristóteles, Agostinho e Tomás de Aquino.

Dominar o pensamento de Voegelin pode ser difícil. Ele é erudito e assume que o leitor está mais ou menos familiarizado com o material, ou pelo menos tem um conhecimento de história, filosofia, teologia, psicologia e sociologia. Algum conhecimento de leitura de latim, grego e idiomas europeus modernos ajuda. Só se pode ler Voegelin com compreensão, se lê-se mais do que alguns outros também. Além disso, Voegelin frequentemente se sentia compelido a introduzir novos termos técnicos ou a empregar termos antigos de novas maneiras. Uma outra dificuldade decorre da natureza restaurativa de seu trabalho, que exige que o aluno com educação convencional aborde seus tópicos de uma maneira nova – especialmente difícil para aquele indivíduo mal nutrido e privado de um fundamento religioso.

Essas dificuldades levaram a leituras superficiais. O trabalho de Voegelin é rejeitado de imediato pela maioria dos secularistas e liberais. Quarenta anos atrás, seu trabalho foi adotado de maneira simplista pelos conservadores da era comunista. E ele não é adotado como um dos seus próprios por historiadores, teólogos, cientistas políticos ou filósofos porque eles não podem envolvê-lo em seus campos especializados. Ele continua sendo um estranho – bem como qualquer pessoa que tenha desenvolvido sua consciência reflexiva em abertura ao Fundamento Divino.

A literatura secundária sobre Voegelin praticamente se tornou uma indústria. Entre as indicações do envolvimento com o trabalho de Voegelin, estão as 305 páginas de Eric Voegelin: International Bibliography 1921-2000. Os centros de pesquisa da Voegelin foram fundados em universidades nos Estados Unidos e na Europa. Seus trabalhos foram traduzidos para idiomas que vão do português ao japonês e uma edição chinesa da Order and History foi publicada recentemente. Os 34 volumes Collected Works of Eric Voegelin, bem como numerosas obras secundárias de estudiosos contemporâneos publicados pela The University of Missouri Press, St. Augustine’s Press e Eric-Voegelin-Archiv da Universidade Ludwig-Maximilians.

Tradução de Josiane C.

Lista de Leitura

Volume 1On The Form of the American Mind
Volume 2Race and State
Volume 3The History of the Race Idea: From Ray to Carus
Volume 4The Authoritarian State: An Essay on the Problem of the Austrian State
Volume 5Modernity Without Restraint: As Religiões Políticas, A Nova Ciência da Política, Science, Politics and Gnosticism
Volume 6Anamnese: Da Teoria da História e da Política
Volume 7Published Essays: 1922—1928
Volume 8Published Essays: 1929—1933
Volume 9Published Essays: 1934—1939
Volume 10Published Essays: 1940—1952
Volume 11Published Essays: 1953—1965
Volume 12Ensaios Publicados: 1966 – 1985
Volume 13Selected Book Reviews

Ordem e História (Volumes I-V)

Volume 14Ordem e História (Volume I): Israel e a Revelação
Volume 15Ordem e História (Volume II): O Mundo da Pólis
Volume 16Ordem e História (Volume III): Platão e Aristóteles
Volume 17Ordem e História (Volume IV): A Era Ecumênica
Volume 18Ordem e História (Volume V): Em Busca da Ordem

História das Ideias Políticas (Volumes I-VIII)

Volume 19História das Ideias Políticas (Volume I): Helenismo, Roma, e Cristianismo Primitivo
Volume 20História das Ideias Políticas (Volume II): A Idade Média até Tomás de Aquino
Volume 21História das Ideias Políticas (Volume III): Idade Média Tardia
Volume 22História das Ideias Políticas (Volume IV): Renascença e Reforma
Volume 23História das Ideias Políticas (Volume V): Religião e a Ascensão da Modernidade
Volume 24História das Ideias Políticas (Volume VI): Revolução e Nova Ciência
Volume 25História das Ideias Políticas (Volume VII): A Nova Ordem e a Última Orientação
Volume 26História das Ideias Políticas (Volume VIII): A Crise e o Apocalipse do Homem

The Rest of the Collected Works

Volume 27The Nature of the Law and Related Legal Writings
Volume 28What is History? and Other Late Unpublished Writings
Volume 29Selected Correspondence: 1924 -1949
Volume 30Selected Correspondence: 1950 -1984
Volume 31Hitler e os Alemães
Volume 32The Theory of Governance and other Miscellaneous Papers: 1921-1938
Volume 33The Drama of Humanity and other Miscellaneous Papers: 1939-1985
Volume 34Reflexões Autobiográficas, with glossary and cumulative index

 

A ordem de leitura sugerida é a seguinte, pela numeração dos volumes:

34 – 05 – 31 – 19 – 20 – 21 – 22 – 23 – 24 – 25 – 26 – 06 – 02 – 03 – 04 -14 – 15 – 16 – 17 – 18

A partir da ordem dada, os outros volumes podem ser lidos sem um ordenamento rígido, pois serão todos familiares ao leitor quanto a seus conceitos.

Comentários

Eric Voegelin. A Restauração da Ordem
Filosofia Civil de Eric Voegelin
Filosofia Política em Eric Voegelin
Revolta contra a Modernidade
Filósofos da Consciência
Fé e Filosofia Política
A Revolução Voegeliana

Artigos traduzidos por nós

Sabedoria e Mágica do Extremo
O Drama da Humanidade  [Vol. 34]
Política Gnóstica
O Crescimento da Idéia Racial
Razão: A Experiência Clássica
Karl Marx
Liberalismo e sua História
Quod Deus Dicitur

13 comentários em “Lista de Leitura Ordenada: Eric Voegelin”

  1. Cada dia que passa fico mais maravilhado com este site.
    Continuem o ótimo trabalho, e obrigado por ajudarem tanto aqueles que buscam o conhecimento.

  2. Parabéns estou encantanda e agradecida já programei uma doação mensal para que o site possa se desenvolver.

  3. Pingback: Globalismo e Nacionalismo na Contemporaneidade: Uma Análise Voegelin-Olaviana - Contra os Acadêmicos

  4. Pingback: Filosofia do Desespero - Contra os Acadêmicos

  5. Pingback: Filósofos e Filodoxos - Contra os Acadêmicos

  6. Pingback: Correspondência de Leo Strauss e Eric Voegelin sobre Karl Popper - Contra os Acadêmicos

  7. Pingback: O Ordenamento das Leituras - Contra os Acadêmicos

Deixe uma resposta

Spam Protection by WP-SpamFree

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.